21 de agosto de 2009

"Reprise" relembra hoje a novela "Perigosas Peruas"



Autoria: Carlos Lombardi
Colaboração: Maurício Arruda
Supervisão de texto: Lauro César Muniz
Direção: Roberto Talma, Jodele Larcher e Flávio Colatrello
Período de exibição: 10/02/1992 – 29/08/1992
Horário: 18h40
Nº de capítulos: 172

Trama/ Personagens:
- Ambientada em São Paulo,
Perigosas peruas conta a história das amigas Cidinha (Vera Fischer) e Leda (Silvia Pfeifer). As duas nasceram no mesmo dia, cresceram juntas, estudaram no mesmo colégio e na mesma universidade. Ao se formarem, porém, seguiram caminhos inteiramente opostos. Cidinha se dedicou à casa e à família e jamais pensou em trabalhar fora. Leda, por outro lado, investiu na carreira de jornalista e tem aversão a casamento e filhos. Mesmo satisfeitas com a opção que fizeram, uma sente inveja do estilo de vida da outra.
- Além do passado, outro elo entre Cidinha e Leda é Belo (Mário Gomes). Ele é casado com Cidinha, que engravidara ao mesmo tempo que a amiga, ainda na época da faculdade. O que ela não sabe é que Leda também esperava um bebê de Belo. As duas acabam indo para o mesmo hospital, no mesmo dia. A filha de Cidinha nasce morta, e, na maternidade, Belo a troca pelo bebê de Leda, também uma menina. Arrasada, Leda viaja para o exterior e dedica-se à carreira. Anos depois, Leda volta ao Brasil, e as duas amigas passam a disputar a guarda de Tuca (Natália Lage), que descobre ter sido trocada na maternidade.
- Paralelamente às disputas entre Cidinha e Leda, Belo se envolve com os negócios escusos da família Torremolinos, uma alusão aos mafiosos do filme
O poderoso chefão, de Francis Ford Coppola.
- Outros personagens envolvidos na trama são Venâncio (Flávio Migliaccio), um delegado corrupto, e os policiais Paulinho Pamonha (Tatu Gabus Mendes), Téio (Rômulo Arantes), Giovanni (Gerson Brenner), Johann (Irwing São Paulo), Romano (Alberto Baruque) e Joana (Fabiana Scaranzi).
- A italianíssima Gema (Nair Bello), mãe de Belo, é outro personagem de destaque. Gema trata o filho como uma criança e foi protagonista de momentos hilários em
Perigosas peruas.
- O casal Téio (Rômulo Arantes) e Téia (Bianca Byington) também proporcionou cenas de humor à história. Otávio – Téio, como é chamado pela mulher – trabalha com o delegado Venâncio e é atrapalhado como seus companheiros. Faz o tipo de homem fortão, que resolve tudo na base da força física, mas em casa, apanha da mulher. Stephanie Bergman Dalla Chiesa, a Téia, é filha de Vivian (Nicette Bruno) e mora com o marido na casa da mãe. Prepotente e cheia de si, Téia vive batendo em Otávio, esteja na frente de quem for, mas é apaixonada por ele.

Produção:
- Para a abertura da novela, desenvolvida pela equipe de Hans Donner, o cartunista Miguel Paiva fez mais de 400 ilustrações de uma perua, a ave, rebolando e maquiando-se.
- O figurino de Vera Fischer e Silvia Pfeifer nas cenas que retratavam a década de 1970 era de cores exageradas e tonalidades fortes, características da moda na época.

Curiosidades:
- Duas mudanças foram feitas no texto original de
Perigosas peruas: a tentativa de suicídio de Tuca, 13 anos, uma cena forte cortada por decisão da direção da emissora, e o final previsto para Belo, que deveria morrer por volta do capítulo 100. Devido à popularidade entre os telespectadores, preferiu-se manter o personagem vivo.
- Nos últimos meses da trama, Lauro César Muniz entrou para a equipe da
Perigosas peruas como supervisor de texto.
- Perigosas peruas contou com uma participação especial de peso: o autor Cassiano Gabus Mendes. Ele interpretou o mafioso Dom Franco Torremolinos, que depois de um ataque de riso, cai morto.
- O trio de protagonistas, Vera Fischer, Mário Gomes e Silvia Pfeifer, fez sucesso, interpretando cenas divertidas e emocionantes. Outro grande desempenho foi o de Natália Lage, que compôs com maturidade uma adolescente questionadora e temperamental.

Trilha sonora:
- A música de abertura,
Perigosas peruas, interpretada pelas Frenéticas, foi composta por Nelson Motta, Renato Ladeira, Roberto Lly, Julinho Teixeira e Boni (José Bonifácio de Oliveira Sobrinho), então vice-presidente de operações da Rede Globo.
- Na trilha sonora internacional, destaca-se a canção
Tears in heaven, tema de Téio e Téia. Eric Clapton, autor da canção, compôs a música depois de perder seu filho, de apenas quatro anos de idade. A música foi um grande sucesso.

Nenhum comentário: